segunda-feira, 7 de maio de 2018

50 ANOS DEPOIS DO “MAIO FRANCÊS”: UM MUNDO EM PROFUNDO RETROCESSO POLÍTICO, IDEOLÓGICO E CULTURAL ONDE MAIS DO QUE NUNCA ESTÁ NA ORDEM DO DIA A DISJUNTIVA “COMUNISMO OU BARBÁRIE”


50 anos após o "Maio Francês", há um profundo abismo político-ideológico entre a situação atual na França assim como em todo o planeta e o ímpeto revolucionário da juventude em 68, que esteve intimamente conectado com a ascensão do movimento operário que, desde o ano anterior, vinha produzindo uma intensa onda de greves por toda a França, refletindo a resistência da classe operária às medidas que atacavam os salários, geravam desemprego e atentavam contra as conquistas sociais do proletariado, tais como a previdência social e o direito de greve, política adotada pelo governo do general Charles De Gaulle diante da crise decorrente do esgotamento da relativa prosperidade econômica do breve período do pós-guerra, caracterizado pela reorganização da indústria francesa destruída durante a guerra. A fusão das lutas estudantis com as greves espontâneas, com piquetes e ocupações de fábricas, transformou a revolta estudantil numa insurreição de massas, levando 10 milhões de trabalhadores a se colocarem em greve em todo o país, rompendo com a política de colaboração de classes das direções sindicais controladas pelo stalinismo. As principais fábricas e os setores estratégicos da economia foram colocados sob o controle operário através dos Comitês de Greve, que organizavam a autodefesa dos manifestantes, controlavam a produção, preparavam as barricadas e abasteciam de alimentos os operários das fábricas em greve. Estabeleceu-se uma dualidade de poderes que colocou em xeque o domínio da burguesia. 

Desde o início, o movimento assumiu uma clara perspectiva revolucionária, com manifestações que exigiam a derrubada do governo De Gaulle e questionavam os valores e a moral da sociedade burguesa. A consciência revolucionária, expressa nas manifestações da juventude francesa em 68, refletia uma etapa de ascenso revolucionário mundial, marcada pela vitória da Revolução Cubana em 1959, as greves operárias que sacudiam toda a Europa, a descolonização da África e a bem sucedida ofensiva norte-vietnamita do TET, prenúncio da derrota e expulsão do exército ianque do Vietnã.
  
O estado de espírito da juventude e dos trabalhadores no Maio Francês era também excitado pela existência da URSS e dos Estados operários do Leste europeu que, apesar da degeneração burocrática stalinista, exerciam uma forte referência ideológica sobre o proletariado mundial. A existência dos Estados operários significava que a burguesia havia sido expropriada em quase 1/3 do planeta e, em conseqüência, os trabalhadores nessa parte do mundo haviam realizado conquistas históricas jamais alcançadas pelo proletariado em qualquer país capitalista. As conquistas sociais do proletariado nos Estados operários (pleno emprego, habitação, saúde e educação gratuitas, erradicação do analfabetismo, elevação do nível cultural das massas) obrigavam a burguesia nos países capitalistas, temendo ser expropriada pela revolução proletária, a fazer significativas concessões aos trabalhadores.

Já as manifestações atuais e as greves defensivas contra o governo Macron ocorrem numa etapa de profundo retrocesso ideológico, aberta a partir da queda dos Estados operários do Leste e da URSS. Apesar da magnitude e radicalização das lutas, não há no horizonte ideológico dessa juventude nenhuma perspectiva revolucionária.

Com o fim dos Estados operários, a burguesia dos países imperialistas europeus sentiu as mãos livres para dar início ao desmonte do chamado “estado de bem-estar social”, rebaixando as condições de trabalho e padrão de vida da classe operária. Na França, esses ataques foram iniciados ainda no governo da “esquerda pluralista” do Partido Comunista Francês (PCF) e do Partido Socialista (PS), agora aprofundadas no governo de Macron.

As constantes manifestações da revolta de jovens imigrantes demonstram que, carente de uma direção revolucionária, mais o movimento operário tende a retroceder em seus objetivos e em suas formas de luta. A ausência de uma referência ideológica revolucionária limita os objetivos da revolta à luta contra o racismo e a violência promovida pelas tropas anti-motins da polícia francesa.Também quanto aos métodos de luta fica claro o fosso entre as manifestações do Maio de 68 e as lutas populares da contemporaneidade , caracterizadas por ações extremamente radicalizadas, porém, sem expressar objetivos políticos claros. Esse é mais um reflexo do vazio ideológico que se abriu a partir da destruição dos Estados operários e do revisionismo da quase totalidade da esquerda mundial que se agarrou ferrenhamente à defesa da democracia burguesa, fazendo o movimento operário retroceder às formas de luta do princípio do capitalismo, como foi o movimento ludista do final do século XVIII na Inglaterra, onde os operários destruíam as máquinas e as propriedades dos capitalistas por não terem desenvolvido ainda organizações e formas de luta mais evoluídas como os sindicatos e as greves, nem vislumbrarem a perspectiva histórica da revolução proletária e do socialismo, que só surgiu com o desenvolvimento da luta de classes e do marxismo a partir do século XIX.

O retrocesso ideológico que se manifesta na consciência dos jovens insurretos na França, produto da completa rendição da esquerda revisionista do marxismo e da ausência de uma verdadeira organização revolucionária de combate, é um fenômeno equivalente ao crescimento da influência do fundamentalismo islâmico.

Apesar das limitações políticas dessas lutas, a tarefa dos revolucionários é solidarizar-se com os combatentes, lutando para ganhar a influência das massas e dirigi-las com um programa revolucionário. Entretanto, a “extrema” esquerda francesa, os pseudotrotskistas, assim como não se colocaram no campo militar das organizações fundamentalistas que patrocinaram o ataque de 11 de Setembro contra o Pentágono e os escritórios da CIA no WTC e se negaram a defender a vitória militar do Talebam diante das tropas de ocupação ianque no Afeganistão, também agora não se colocam ao lado dos jovens insurretos e imigrantes, mantendo-se inertes diante da crise, apenas lamentando os efeitos da política neoliberal, colaborando dessa forma para manter o atraso do nível de consciência das massas. Sua bandeira agora é a defesa da democracia burguesa diante do crescimento eleitoral da Frente Nacional de Le Pen.

Ao contrário dessas correntes revisionistas, que se ajoelham frente à propaganda da mídia imperialista da “guerra contra o terror”, colocamo-nos inteiramente no campo dos jovens insurretos, esclarecendo que a causa essencial da atual revolta dos jovens na França está na política de privatizações de Macron, cortes nos gastos públicos e de flexibilização do mercado de trabalho, promovendo o aumento do desemprego, que afeta principalmente os jovens trabalhadores descendentes de imigrantes, majoritariamente de origem árabe e que as provocações e o ódio racista destilado pela direita xenófoba (Le Pen, Sarkozy) contra os imigrantes tem como objetivo envenenar o proletariado francês de preconceitos para impedir sua unidade de classe na luta contra a exploração capitalista.

É necessário, portanto, unificar a revoltas dos jovens insurretos com as greves operárias, preparando uma poderosa greve geral do proletariado francês para derrotar a política de arrocho do governo Macron. É preciso fazer com que a radicalização das formas de luta reflita o vigor de um programa revolucionário que aponte a destruição do capitalismo e a construção do socialismo como único caminho para superar a crise.

Se a intensa onda revolucionária que sacudiu a França em Maio de 68 não pôde conduzir à vitória da revolução proletária, abortada pela política de traição das direções stalinistas, diante da ausência do partido da vanguarda do proletariado, isso significa que hoje, 50 anos depois do “Maio Francês”, numa etapa histórica de reação e retrocesso ideológico, é necessário mais do que nunca que a vanguarda consciente do proletariado redobre seus esforços para construir um autêntico partido revolucionário internacionalista no país, único instrumento capaz de levar a classe operária a desfechar um golpe mortal contra os capitalistas, com a destruição do Estado burguês imperialista, abrindo caminho para uma nova etapa revolucionária mundial.