quinta-feira, 27 de abril de 2017

EDITORIAL JORNAL LUTA OPERÁRIA Nº 321, ABRIL/2017: AVANÇA O BONAPARTISMO DE TOGA SOBRE A LAMA DO ESTADO BURGUÊS E “MIDIOTAS” DA ESQUERDA REFORMISTA PENSAM QUE A “LISTA DE FACHIN” É O DIVISOR DE ÁGUAS ENTRE POLÍTICOS HONESTOS E CORRUPTOS


A divulgação oficial do conjunto das delações dos principais gestores da Odebrecht, catalogadas pelo Ministro Fachin do STF (relator da Lava Jato no Supremo)sob a encomenda direta da família Marinho, parece que conseguiu "chocar" todos os segmentos da esquerda reformista e agora também midiota. As revelações do patriarca Emílio Odebrecht de que sua empreiteira pagava comissões (propinas) a totalidade do mundo institucional brasileiro: desde sindicalistas, políticos, chefetes de repartições públicas e empresas estatais, passando por juízes e até presidentes da república dos últimos 30 anos, conseguiu escandalizar os parvos e inocente úteis que ainda acreditam na "ética protestante (ou católica)e no espírito do capitalismo", parafraseando o sociólogo estruturalista Max Weber. O velho Emílio buscou "causar" um efeito "profético" em suas "revelações": A esquerda reformista descobria então, com duzentos anos de atraso, que o conjunto da institucionalidade burguesa é corrupta e patrimonialista. Parecia até que os incautos reformistas tinham tomado conhecimento da lei do valor e da mais-valia, formulada por Karl Marx em 1865, somente quando Emílio resolveu publicitar que no "Edifício da república capitalista" todos sem uma única exceção recebem "comissões" por cada transação comercial realizada pelo Estado Burguês, o verdadeiro comitê executivo das classes dominantes. Porém apesar da clareza das informações dadas por um burguês hegemônico no mercado, a esquerda reformista e midiota ainda se nega a crer que a corrupção é uma parte endêmica e estrutural do sistema capitalista, passando a esgrimir que os ausentes da "Lista de Fachin" seriam os politicamente honestos e puros. Logo organizações reformistas sem nenhum peso eleitoral, como o PCB e PSTU por exemplo, passaram a jactar-se de não integrarem as tais "delações do fim do mundo", fato que também foi seguido por alguns políticos burgueses de maior dimensão política, como Ciro Gomes e Roberto Requião ambos ex-governadores e notórios corruptos. É óbvio para os Marxistas que uma "Lista" nunca poderá ser critério algum para aferir se a parte de "esquerda" do regime burguês é ética ou não, se recebem verbas legais (como o Fundo Partidário e doações empresariais) ou comissões (propinas) via o famoso "caixa 2" não faz a menor diferença, são todos parte de uma única engrenagem: O jogo institucional estalecido pelo capital, onde a regra maior é o respeito a constitucionalidade burguesa que assegura o direito de propriedade privada dos meios de produção. Fora deste vastíssimo espectro estão somente os Leninistas com sua apologia a violência revolucionária e a defesa da demolição socialista deste Estado Maior do capital. Não por coincidência o conjunto desta esquerda reformista e midiota abandonou formalmente o bom combate pela Ditadura do Proletariado, aderindo de malas e bagagens a defesa do "Estado democrático de direito", em alguns casos de forma degradante como o PCO que rasgando sua própria história pôs a venda sua legenda para a Frente Popular e sua política de colaboração de classes. Ao outorgar seus próprios valores ideológicos ao(s) primeiro(s) justiceiro(s) togado que catapultado pela mídia corporativa se apresenta como o "Salvador Ético" do país, a esquerda reformista assinou sua própria sentença de morte. Agora é a justiça dos patrões, portadora de uma natureza classista, que determinará que organização política (de esquerda ou direita) será capaz de entrar no campo "Olimpo dos vestais", a quanta miséria programática foram reduzidos os reformistas! Enquanto as comissões (propinas) continuam a ser distribuídas livremente no país, desde o mais singelo vereador do interior do Acre até o presidente do Supremo ou o gerente de plantão do Planalto, pelo simples motivo que só acabarão com o fim do capitalismo e a economia mercantil, regime bonapartista avança em sua escalada ao poder central, sob as ruínas e lama do establishment burguês tradicional. Todos os elementos foram postos pela mídia "murdochiana" para a desmoralização completa do universo político em todas as suas variantes, agora só falta a entrada triunfante no cenário republicano do "Salvador da Pátria", a escolha deste personagem ainda é o centro de um impasse no seio das classes dominantes, embora o "morismo" já tenha largado com ampla vantagem sobre os demais "candidatos". Para a Esquerda Comunista não resta outra senda, se ao menos pretende honrar seu legado teórico Marxista, a não ser a ruptura radical com todas as variantes da institucionalidade burguesa que historicamente já comprovaram que são incapazes de alcançar o socialismo, não existe possibilidade de "mudança por dentro" deste regime capitalista! Nenhuma ilusão eleitoral em Lula ou na Frente de (falsa) Esquerda do PSOL! A construção de uma alternativa de poder dos trabalhadores, sem a qual a revolução é apenas uma quimera dos esquerdistas de "Facebook", passa neste momento pela organização de uma greve geral política de longa duração para derrubar o governo neoliberal golpista, com uma outra dinâmica oposta a "greve cervejinha" do feriadão prolongado do próximo 28 de abril. Greve Geral até a derrota completa de toda a pauta neoliberal imposta pelos rentistas do "Consenso de Washington"!
TEMER E MAIA APROVARAM REFORMA TRABALHISTA ÀS VÉSPERAS DA PARÓDIA DE “GREVE GERAL”: TRÉGUA DAS CENTRAIS SINDICAIS E DO PT POSSIBILITOU VITÓRIA DO GOVERNO E PATRÕES


A LBI havia denunciado a mais de um mês que o calendário da burguesia até o 28 de Abril era a sanção presidencial da Terceirização Total por parte de Temer e a aprovação da famigerada Reforma Trabalhista por Rodrigo Maia. Nosso prognóstico se confirmou plenamente: dissemos que a trégua de um mês (31 de Março a 28 de Abril) dada pela burocracia sindical iria possibilitar o governo e o Congresso Nacional avançarem nos ataques aos trabalhadores. Não deu outra, o fim da CLT e a quebra de direitos foram aprovadas com folga no parlamento corrupto, sem qualquer resistência nas ruas, apesar da total impopularidade do canalha golpista. A CUT-CTB vem recorrendo a tática canalha e enganadora: permitem que Temer aprove o grosso do ajuste neoliberal e fazem manifestações pontuais contra as reformas mas que não as coloquem de fato em xeque, esperando que o parlamento burguês aprove esse pacote de maldades enquanto patrocinam ilusões no Lula 2018, quando o candidato do PT somente denunciaria eleitoralmente os ataques perpetrados por Temer. Trata-se de uma clara divisão de tarefas! Desde os sindicalistas revolucionários da TRS-LBI defendemos a convocação de uma verdadeira Greve Geral e, temos a responsabilidade de denunciar o engodo em curso. Alertamos que o 28A convocado tardiamente mais se aproxima de um “feriadão prolongado” do que uma verdadeira Greve Geral, que para enfrentar os ataques de Temer e dos patrões deveria ser inicialmente de 48hs, paralisando a produção, com piquetes, ocupações de fábricas e terras, com cortes de ruas, estradas e avenidas. Como o 28A será uma paralisação domesticada, com “atos” pacíficos e sem enfrentamentos de classe, até setores da burguesia e das oligarquias, como Ciro Gomes, estão apoiando a paródia de “Greve Geral” convocada para esta sexta-feira, um dia após Temer e Maia terem aprovado a famigerada Reforma Trabalhista. Nesse sentido, interviremos no próximo 28A denunciando o caráter fraudulento das iniciativas da burocracia sindical e apontando a necessidade da ruptura com a política de colaboração de classes da CUT e do PT, avalizada pelo PSOL/Intersindical/MAIS e pelo PSTU-Conlutas. A necessidade de uma verdadeira Greve Geral, com a paralisação da produção, ocupação de fábricas e terras, sem funcionamento total dos transportes e bancos, mais do que nunca está na ordem do dia! Para tanto a vanguarda classista deve superar a política nefasta da burocracia sindical e da Frente Popular que insiste em ter como eixo a convocação de “Eleições Gerais” e não a derrubada revolucionária do governo Temer e de suas reformas neoliberais, forjando no calor da luta de classes uma alternativa de direção revolucionária para o movimento de massas!

terça-feira, 25 de abril de 2017

DIA 28 DE ABRIL: IMPOR PELA MOBILIZAÇÃO DAS BASES OPERÁRIAS E POPULARES UMA FORTE PARALISAÇÃO NACIONAL!  CONVOCAR IMEDIATAMENTE UMA GREVE GERAL DE 48HS QUE PARALISE A PRODUÇÃO PARA DERRUBAR TEMER E SUAS REFORMAS NEOLIBERAIS! NÃO A POLÍTICA DE PRESSÃO SOBRE O PARLAMENTO E DE APOIO AS CANDIDATURAS DA OPOSIÇÃO BURGUESA (LULA, CIRO)!


Aproxima-se o dia 28 de Abril, apresentado pelas burocracias sindicais como um dia de “Greve Geral” no país. Frente aos ataques do governo Temer e a votação do relatório da Reforma da Previdência para a primeira semana de Maio, muitas categorias confirmaram que vão paralisar suas atividades, apesar de haver muito pouca preparação nas bases operárias e populares. Não por acaso setores da oligarquia burguesa, como Ciro Gomes, estão aderindo a greve de pressão parlamentar convocada pelas burocracias sindicais para o próximo dia 28. Em sentido oposto desta perspectiva de lobby sobre o Congresso Nacional é preciso organizar pelas bases uma verdadeira greve geral de 48horas com ocupações de fábrica e bloqueio de estradas! Os sindicalistas revolucionários da TRS-LBI que interviram nos dias de luta realizados em março defendendo a convocação de uma verdadeira Greve Geral alertam que o 28A convocado tardiamente mais se aproxima de um “feriadão prolongado” do que uma verdadeira Greve Geral para enfrentar os ataques de Temer e dos patrões. Nesse sentido, interviremos no próximo 28A, “Dia Nacional de Mobilização” denunciando o caráter fraudulento das iniciativas da burocracia sindical e apontando a necessidade da ruptura com a política de colaboração de classes da CUT e do PT, avalizada pelo PSOL/MAIS assim como pelo PSTU-Conlutas. Chama a atenção de que a proposta das burocracias sindicais não corresponde à organização de uma verdadeira Greve Geral, que no mínimo deveria ser de uma paralisação de 48 horas. A "Greve Geral" deste 28A colada ao feriado de Primeiro de Maio deverá ser utilizada pelo PT como palanque eleitoral de lançamento da candidatura Lula para disputar o Planalto em 2018. A necessidade de uma verdadeira Greve Geral, com a paralisação da produção, ocupação de fábricas e terras, sem funcionamento total dos transportes e bancos, mais do que nunca está na ordem do dia! Para tanto a vanguarda classista deve superar a política nefasta da burocracia sindical e da Frente Popular, forjando uma alternativa de alternativa de poder revolucionário dos trabalhadores por fora da institucionalidade burguesa!

segunda-feira, 24 de abril de 2017

43 ANOS DA REVOLUÇÃO DOS CRAVOS: EXEMPLO DE REVOLUÇÃO ABORTADA, REIVINDICADA PELO ATUAL GOVERNO DO PS, APOIADO PELO PCP E O BLOCO DE ESQUERDA COMO ALTERNATIVA "DEMOCRÁTICA" À INSURREIÇÃO PROLETÁRIA E SOCIALISTA


43 anos depois da Revolução dos Cravos, os trabalhadores portugueses voltaram a ser governados pelo PS sob o comando de Antônio Costa depois de vários mandatos de gestão de direita PSD/CDS. PCP integra o governo da centro-esquerda burguesa reivindicando 25 de Abril: “No momento em que os trabalhadores e o povo português assinalam o 43º Aniversário da Revolução de Abril, o PCP reafirma o seu firme empenhamento e confiança que, com a força e determinação da luta dos trabalhadores e do povo, com a ação convergente dos democratas e patriotas, é possível abrir caminho à construção de uma política alternativa, patriótica e de esquerda, na afirmação do projeto de Democracia Avançada, dos Valores de Abril no futuro de Portugal, tendo no horizonte o socialismo. Comemoramos Abril quando caminhamos para o segundo ano de uma nova fase da vida política nacional que foi inaugurada com a derrota e o afastamento da coligação PSD/CDS do governo do País” (Intervenção de Jerónimo de Sousa, Secretário-Geral, almoço comemorativo do 43º aniversário do 25 de abril). Por seu turno, o Bloco de Esquerda apoia o governo de Antônio Costa também apresentando o atual gabinete como herdeiro legítimo do 25 de abril de 1974: “A Mesa Nacional do Bloco de Esquerda reuniu neste domingo, 26 de março de 2017, e aprovou a resolução ‘A resposta da esquerda à desagregação europeia: democracia’” em que afirma “O Bloco de Esquerda disputa em Portugal uma maioria social que rompa com a política europeia da divergência e do ódio. Só por interromper o ciclo do empobrecimento, o programa de governo do PS, negociado com a esquerda, confrontou os dogmas de Bruxelas” (Idem) . Neste marco, as comemorações desse fato histórico que marcou o fim da ditadura de Salazar e o retorno da democracia burguesa em Portugal ocorrem em um clima de patrocinar ilusões na gestão burguesa do PS, neste sentido deve ser compreendida a Revolução dos Cravos e seus efeitos ainda hoje sobre a luta de classes não só em Portugal, mas como parte integrante da crise por que passa o continente europeu como um todo. Foi chamada de Revolução dos Cravos porque as tropas lideradas pelo Movimento das Forças Armadas (MFA), em vez de baionetas, saíram às ruas com cravos na ponta dos fuzis para simbolizar solidariedade com a população. Mas, ao contrário do que afirmam os arautos da conciliação de classes, esse movimento resultou numa profunda derrota para proletariado português, confirmando a inviabilidade histórica de uma transição pacífica para o socialismo. O movimento de 25 de abril de 1974, ao pôr fim ao regime fascista de Salazar-Caetano, que durante 46 anos oprimiu o proletariado português e os povos as colônias de Portugal na África, se constituiu em um golpe militar preventivo para evitar que uma insurreição popular destruísse as bases da ordem capitalista. Um “convidado” inesperado, o proletariado, surge no processo desta transição política que foi operada inicialmente “por cima”, mas a ausência do partido revolucionário no cenário português impede que se transforme a crise política da “agitada” transição em Revolução Socialista.
A LBI CONVOCA TODAS AS ORGANIZAÇÕES POLÍTICAS E ATIVISTAS DO MOVIMENTO OPERÁRIO E POPULAR PARA IMPULSIONAREM UMA VIGOROSA CAMPANHA NACIONAL EM DEFESA DA LIBERDADE DO COMPANHEIRO RAFAEL BRAGA, VÍTIMA DO REGIME TOGADO DE EXCEÇÃO QUE CONDUZIDO EM MARCHA ACELERADA PELA "REPÚBLICA DE CURITIBA", PRETENDE SER ENTRONADO NO BRASIL

domingo, 23 de abril de 2017

NOSSA HOMENAGEM A PIXINGUINHA: O GENIAL NETO DE ESCRAVOS QUE CRIOU AS BASES DA MÚSICA BRASILEIRA!


Tudo começou no dia 23 de abril de 1898 quando o mundo agraciou a vinda do neto de escravos, Alfredo da Rocha Viana Filho, o Pixinguinha – uma derivação do dialeto africano “Pinzindin” (menino bom) dado por sua avó – considerado o “mestre dos mestres” musicais. No entanto, inicialmente fora muito incompreendido, pois na condição de pesquisador incansável de sonoridades até então desconhecidas, misturava ritmos e sons afros (frigideiras, tamborins, cuícas e gogôs usados marginalmente nos terreiros de umbanda e nos morros cariocas) com a música negra norte-americana, fundia ritmos de Ernesto Nazareth com Chiquinha Gonzaga numa mistura dialética que culminaria em “Choro” nos moldes modernos. Por esta razão, Pixinguinha estava anos luz à frente de seu tempo na elaboração mais rígida e não por isso menos improvisada de suas imemoriáveis interpretações. Aos poucos sua sonoridade ia encantando que a ouvisse e entendesse. Ganhou reconhecimento e admiração de ícones do quilate de Heitor Villa-Lobos, Louis Armstrong e mais tarde de Vinicius de Moraes, Tom Jobim... Tal foi sua importância para o cenário nacional da música popular que o dia 23 de abril passou a ser considerado o “Dia Nacional do Choro”. Portanto, o resgate da obra do grande mestre da MPB é essencial para o combate à política de deculturação do país promovida por governos burgueses e a frente popular, ambos a serviço da recolonização cultural e da ofensiva ideológica imposta pelo imperialismo ianque sobre os povos de todo o planeta.

sábado, 22 de abril de 2017

EM 22 DE ABRIL DE 1870: NASCIA LENIN, DIRIGENTE MÁXIMO DA REVOLUÇÃO DE OUTUBRO! VIDA LONGA AO BOLCHEVISMO! VIVA OS 100 ANOS DA INSURREIÇÃO PROLETÁRIA SOVIÉTICA!


Em 22 de abril de 1870 nascia Vladimir Lenin, o dirigente marxista que lançou as bases do Partido Revolucionário centralizado como um exército do proletariado para demolir violentamente as instituições do estado capitalista e responsável pela vitória da Revolução de Outubro . Lênin lançou as bases da política revolucionária da época atual, a fase do capitalismo imperialista. A sua vida representou a fusão da teoria e da prática revolucionária marxista. "Quando a tarefa dos socialistas consiste em ser os dirigentes ideológicos do proletariado na sua luta real contra os inimigos reais, erguidos na via real de um desenvolvimento social e econômico dado, o trabalho teórico e o trabalho prático são apenas um, segundo a fórmula tão exata de Liebknecht, veterano da social-democracia alemã: Estudar, Propagar, Organizar". A vida e a obra de Lênin transformaram o século XX, educando o proletariado para sua grande missão histórica: a Revolução Socialista Mundial! Ele era um dos filhos de uma família de classe média que morava em Simbirsk, na Rússia. Seu pai, Ilya Nikolaievitch Ulianov, exercia o cargo de inspetor e, mais tarde, diretor das escolas públicas. Sua mãe, Maria Alexandrovna Blank, era filha de um médico da província de Kazan. Dos seis irmãos que tinha, foi Alexandre Ulianov quem mais influenciou a trajetória política de Vladimir. Aos vinte anos, Alexandre começara a estudar as obras de Marx, chegando a traduzir para o russo a Introdução à Crítica da Filosofia do Direito de Hegel. Em 1887, aos 21 anos, Alexandre foi preso e condenado à morte por enforcamento após o fracasso de um atentado terrorista contra o czar Alexandre III. O irmão de Lênin pertencia à Narodnaia Volia (Vontade do Po-vo), organização secreta populista, que congregava elementos da intelligentsia russa e que, sob o regime de opressão, encarava o terror como a única forma de ação imediata contra a autocracia czarista. Essa organização já havia sido quase que completamente esmagada pelo governo após o assassinato do czar Alexandre II (1 de março de 1881). A morte do irmão levaria o jovem Lênin a desenvolver uma reflexão crítica sobre o terrorismo como método impotente de luta contra a opressão política e buscar na organização e mobilização das massas exploradas o caminho para a derrubada do regime czarista.

sexta-feira, 21 de abril de 2017

FORTALEZA SOB O FOGO DAS QUADRILHAS E MÁFIAS PROTEGIDAS PELO GOVERNO PETISTA CONTROLADO PELA REACIONÁRIA OLIGARQUIA DOS FERREIRA GOMES


A cidade de Fortaleza atravessa dias de pânico por parte da população trabalhadora que assiste atônita a queima de ônibus urbanos (até o momento mais de vinte) e a realização de saques de quadrilhas mafiosas organizadas a bancos e estabelecimentos comerciais. Todos minimamente informados sabem que a oligarquia dos Ferreira Gomes que são os donos do PDT (prefeitura), PT( governo) e PROS no estado, protegem o tráfico de cocaína em toda região urbana beneficiando os bandos criminosos que são lumpen-capitalistas neste lucrativo negócio. Acontece que as gangues rivais do "monopólio da droga cearense" resolveram se rebelar contra o governo petista de Camilo Santana (mamulengo de Ciro Gomes) e desencadearam uma operação de terror contra a população de Fortaleza, atacando o sistema de transporte da cidade e ferindo gravemente vários trabalhadores rodoviários. Há vários anos Fortaleza se transformou em uma das principais "portas de exportação" de cocaína para a Europa, a droga chega da Colômbia e sai impunemente do Porto do Mucuripe no Ceará até os principais centros de consumo na Europa, esta "operação comercial" tem rendido milhões de dólares para a oligarquia dominante, que controla há várias décadas o governo do estado e mais recentemente a prefeitura da capital. Porém este "aquecimento econômico" no Nordeste, além de atrair um turismo desqualificado para a região, também desloca para o estado um grande número de bandos criminosos que "organizam" o tráfico local e internacional de cocaína, gerando uma verdadeira cadeia de pequenas gangues periféricas nos bairros que se alimentam do resíduo do volumoso lucro do narcotráfico. A cidade de Fortaleza já é considerada a "capital nacional da coca" pelo alto índice de consumo do "produto", principalmente entre a juventude. Até o momento a polícia do estado só efetuou a prisão de cerca de 15 criminosos "pé de chinelo", enquanto os barões das falanges permanecem impunes em suas mansões à beira mar. Sem o transporte coletivo a disposição, pois os empresários resolveram suspender a circulação a cada nova queima de ônibus, a população trabalhadora fica à mercê do Uber e afins com preços majorados depois do início da "crise incendiária". O movimento de massas não pode depositar a menor ilusão ou confiança nos organismos policiais (assassinos de jovens e negros na periferia de Fortaleza) controlados pela elite corrompida que ocupa o governo, tampouco deve apoiar ou mostrar qualquer simpatia pelos bandos criminosos de traficantes que ameaçam a integridade física da população. Somente a construção de uma alternativa revolucionária, completamente distante da institucionalidade burguesa, poderá oferecer a segurança necessária para a vida da população pobre e trabalhadora. Vamos organizar já os comitês de autodefesa do movimento operário e popular!

quarta-feira, 19 de abril de 2017

DIRETO DA BIENAL DO LIVRO DO CEARÁ: LANÇAMENTO DA PUBLICAÇÃO “OPERAÇÃO LAVA JATO, UM MOVIMENTO DO IMPERIALISMO PARA DESMORALIZAR O CONJUNTO DO TECIDO POLÍTICO BURGUÊS DO PAÍS”

Realizou-se com pleno êxito o lançamento com
a presença do autor Candido Alvarez
LEIA A APRESENTAÇÃO DO NOVO LIVRO DA EDITORA PUBLICAÇÕES LBI EM PARCERIA COM A EDITORA NOVA ANTÍDOTO

Boa afluência de público na noite de autógrafos na Bienal 
APRESENTAÇÃO:

A LBI foi a primeira organização política a denunciar o caráter reacionário da chamada “Operação Lava Jato” ainda no final de 2014, quando toda a “esquerda” reformista, particularmente o PT e o revisionismo trotskista declaravam que a farsa levada a cabo pelo Juiz “nacional” Sérgio Moro era um “patrimônio do Brasil no combate a corrupção”. Na época a presidente Dilma Rousseff chegou a declarar “Eu acho que as investigações da Lava Jato podem mudar, de fato, o Brasil para sempre. Em que sentido? No sentido de que vai se acabar com a impunidade. Mudará para sempre a relação entre a sociedade brasileira, o Estado brasileiro e a empresa privada porque vai acabar com a impunidade. A questão da Petrobras é uma questão simbólica para o Brasil. É a primeira investigação efetiva sobre corrupção no Brasil que envolve segmentos privados e públicos. A primeira. E que vai a fundo” (11.2014). PSTU e PSOL também saudavam os “feitos moralizadores” da “República de Curitiba”, o que escandalosamente fazem até hoje como aborda a mais nova publicação da LBI. Enquanto a cúpula petista, particularmente o staff dilmista, apoiava a operação jurídico-policial engendrada pelo imperialismo ianque para acabar com a Petrobras e as empreiteiras nacionais, nossa corrente política em voz solitária denunciava que o Moro havia sido formado pelo Departamento de Estado ianque e a CIA para inicialmente perseguir o PT e depois desmoralizar o conjunto do tecido político burguês do país para edificar um novo regime político, sendo a ponta de lança de um estado de exceção no Brasil com fortes traços Bonapartistas. Na verdade esse combate político revolucionário esgrimido por nossa pequena corrente trotskista veio desde o julgamento do chamado “Mensalão”, quando o STF sentenciou a prisão dirigentes históricos do PT sob o silêncio cúmplice de Dilma e Lula. Dirceu, Delúbio e Genoino foram acusados de serem os “maiores corruptos do Brasil” quando é sabido que o sistema de “comissões” (propinas como é popularmente conhecido) rege as transações do Estado brasileiro desde o início da República burguesa, sendo o PT o partido que estipulou os menores percentuais nas negociadas com grandes empresas e empreiteiras que estabeleciam contratos com a União. Todos os principais textos elaborados pela direção nacional da LBI do final de 2014 até hoje, além de artigos inéditos, estão coletados no livro “Operação Lava Jato um movimento do imperialismo para desmoralizar o conjunto do tecido político burguês do país”, uma valiosa arma política para vanguarda militante e o ativismo de esquerda analisar a complexa conjuntura brasileira hoje, que caminha a passos largos rumo ao fascismo com a complacência da Frente Popular.


O livro é dividido em quatro capítulos. O primeiro, “Do ‘mensalão’ a ‘Laja Jato’: a primeira denúncia pelos Marxistas Revolucionários da operação jurídico-política montada pelo imperialismo” relaciona a ação de Moro com a ofensiva reacionária mais geral do Judiciário contra o PT, sendo herdeira do farsesco julgamento da ação penal 470 pelo STF, mais conhecido como o “Escândalo do Mensalão”. Já naquele momento alertamos que a prisão dos dirigentes históricos petistas estava voltada a “enquadrar” ainda mais o PT às exigências do imperialismo livrando-se de quadros da “Articulação” (CNB) e seu “campo majoritário” com vínculos diretos com o movimento operário para depois perseguir o conjunto da esquerda, inclusive as organizações revolucionárias que faziam oposição de classe ao governo da Frente Popular. No curso desse movimento claramente orquestrado pelo imperialismo pontuamos que estão redondamente enganados os que pensam que a “Lava Jato” tenha por objetivo exclusivo a “caçada” judicial ao PT. Dallagnol, o “quadro” formulador da Força Tarefa da direita pró-imperialista, já explanou cristalinamente que a “República de Curitiba” pretendia não só remover o governo petista como também alterar profundamente o regime político vigente. Para esta “tarefa divina” não descartam depurar institucionalmente o PMDB e PSDB, na medida em que a conjuntura permitir, ou seja, caso o governo Temer “engasgue” na aplicação das reformas neoliberais exigidas pelo mercado financeiro, o Tea Party tupiniquin estaria a postos para assumir as rédeas do regime político, reconfigurando radicalmente a constituição “democrática” de 1988. A plataforma da Lava Jato “10 medidas contra a corrupção” (escandalosamente apoiada por Luciana Genro e PSTU) já é um esboço reacionário do programa do novo regime que defendem para o país. É justamente o que estamos presenciando hoje com a prisão de Cabral, Cunha e chantagem contra os arqui-corruptos Temer, Renan, Jucá... pelas mãos do Juiz Moro com o apoio das Organizações Globo.

terça-feira, 18 de abril de 2017

LEIA A ÚLTIMA EDIÇÃO DO JORNAL LUTA OPERÁRIA, Nº 321, ABRIL/2017

EDITORIAL
Avança o Bonapartismo de Toga sobre a lama do Estado burguês emidiotas da esquerda reformista pensam que a “Lista de Fachin” é o divisor de águas entre políticos honestos e corruptos

1º DE MAIO – DIA INTERNACIONAL DOS TRABALHADORES
Não a farsa montada pela CUT, Força Sindical e Conlutas! Por uma Greve Geral de 48 horas como embrião de uma alternativa de poder dos trabalhadores! Derrotar o imperialismo na Síria e Coréia do Norte!

“AMIGO” DAS EMPREITEIRAS
Lula recebeu “comissões” da Odebrecht assim como FHC, Itamar, Collor, Sarney... e todos os chefes dos governos burgueses nos últimos 50 anos!

MESMO APÓS O ESCÂNDALO DA MÁFIA CABRAL O PT CONTINUA NA BASE DE APOIO DO GOVERNO PEZÃO
Agora na presidência da ALERJ comandará a aprovação do pacote do desmonte do estado fluminense

DEPOIS DE VENDER A LEGENDA AO PT, PCO ADVOGA A “LIBERDADE” PARA BOLSONARO ATACAR NEGROS, HOMOSSEXUAIS E MULHERES
Os genuínos troskistas não defendem a “livre expressão” do fascismo e sim que ele seja esmagado pelo movimento operário organizado!

PREFEITO ROBERTO CLÁUDIO (PDT) PERSEGUE E “JUSTIÇA” DECRETA ILEGALIDADE
Manter a greve dos professores de Fortaleza para arrancar conquistas e o reajuste!

URBANITÁRIOS – CEARÁ
Mais uma vez, a direção do Sindiágua traiu a categoria e rasgou o acordo coletivo, cumprindo as ordens da diretoria da CAGECE
  
35 ANOS DA GUERRA DAS MALVINAS
Um marco divisório entre revisionistas que se alinharam com a Inglaterra “democrática” e trotskistas que perfilaram militarmente com a ditadura argentina contra o imperialismo

DEFENSOR DE CUBA
Há exatos três anos da morte do genial Gabo

HÁ 15 ANOS DO GOLPE CONTRA CHÁVEZ
A tarefa atual é derrotar o imperialismo e a direita em Frente Única com Maduro! Impulsionar a formação de Conselhos Operários para construir uma verdadeira República Socialista na Venezuela!

OEA AMEAÇA GOVERNO MADURO... CST, PSTU E JEAN WILLYS (PSOL) DENUNCIAM “GOLPE” DO CHAVISMO DE MÃOS DADAS COM O IMPERIALISMO
Contra a direita fascista e a esquerda social-democrata a resposta revolucionária deve ser a dissolução do Parlamento Burguês reacionário! 

SENADO INCENDIADO NO PARAGUAY
Em meio a disputa entre alas da oligarquia reacionária, Lugo alia-se ao Partido Colorado para se credenciar como mais uma alternativa da burguesia

ATAQUES TERRORISTAS E “MANIFESTAÇÕES CONTRA CORRUPÇÃO” NA RÚSSIA
Uma ala do imperialismo ianque e o EI atuam conjuntamente para desestabilizar o governo Putin      

COMUNICADO DO EXÉRCITO DA SÍRIA
A responsabilidade pelo ataque químico é dos terroristas 

COMPLETO FIASCO DA ÚLTIMA AGRESSÃO MILITAR A SÍRIA
Obriga imperialismo ianque a recuar em sua ofensiva aumentando a desmoralização de suas tropas em todo mundo

DIANTE DO COVARDE ATAQUE DOS CARNICEIROS IMPERIALISTAS A SÍRIA
Os Marxistas Revolucionários cerram fileira militar com o governo Assad e as forças da Rússia para derrotar o pentágono e seus “filhotes” terroristas do Daesh!

ESTADO OPERÁRIO NORTE-COREANO ANUNCIA QUE RESPONDERÁ AS AMEAÇAS MILITARES DE TRUMP
Os revolucionários apoiam o pleno direito da autodefesa coreana diante das provocações do imperialismo ianque!

segunda-feira, 17 de abril de 2017

HÁ EXATOS TRÊS ANOS DA MORTE DO GENIAL GABO


A morte do escritor colombiano Gabriel Garcia Marquez, há exatos três anos no dia 17/04/2014, comocionou não só o mundo literário mas também o conjunto da intelectualidade política mundial. Gabo, como era chamado pelos amigos, teve “gravado” na infância as histórias contadas pelo seu avô, o coronel Nicolás Marquez, que participou da guerra civil colombiana. Esta “influência” talvez tenha determinado os primeiros passos literários de Gabo, que notadamente admirava o autor tcheco Franz Kafka, em especial sua obra “A Metamorfose”. Nesta simbiose, dos contos mágicos de seu avô e no estudo do melhor acervo literário mundial, surge o escritor genial Gabo, que lançando o livro “Cem anos de solidão”, em 1967, crava seu nome no panteão dos mestres ao criar um novo estilo literário, o chamado “Realismo Mágico”. Mais do que uma “nova escola”, o Realismo Mágico representou na arte de escrever a simbologia da formação de uma nação, muito mais do que a história de só um país, o retrato mítico da América Latina, com todas suas agruras reais e sua magia peculiar fruto do “cruzamento” de várias civilizações.Além de grande escritor, Gabo era um prodigioso jornalista. Foi correspondente internacional duas vezes: a primeira em 1958, na Europa, e a segunda em 1961, em Nova York, onde foi perseguido pela CIA por suas críticas a exilados cubanos (gusanos) e suas ligações com Fidel Castro. Na época ele trabalhava em nome da agência de notícias cubana Prensa Latina e como sua situação ficou insustentável nos EUA se mudou para o México, onde passou boa parte da vida. Neste interregno escreveu: Cem Anos de Solidão, O Amor nos Tempos do Cólera, Crônica de uma morte anunciada e tantos outros livros que se tornaram referência em todo mundo. Publicado em 1967, Cem Anos de Solidão é considerado o mais importante da carreira de García Márquez e também a segunda obra mais relevante de toda a literatura hispânica, ficando atrás apenas de Dom Quixote de la Mancha, de Miguel de Cervantes. Em 1982, García Márquez foi escolhido o vencedor do Nobel de Literatura. Foi o segundo latino-americano a receber o prêmio, tendo sido o chileno Pablo Neruda o primeiro. Em 1971, em meio ao governo de Allende (1970-1973), respondendo a uma pergunta de um jornalista nova-iorquino, declarou García Márquez: “Eu tenho a esperança de que toda a América Latina seja socialista, mas agora as pessoas estão muito iludidas com um socialismo pacífico, dentro da constituição. Tudo isso me parece muito bonito eleitoralmente, mas creio que é totalmente utópico. O Chile está condenado a um processo violento muito dramático. Mesmo que a Frente Popular vá avançando – com inteligência e muito tato, a passos bastante rápidos e firmes – chegará um momento em que encontrará um muro que lhe opõe seriamente”. Nesta altura Gabo já prognosticava o desenlace trágico, para a classe operária, da experiência política chilena da Frente Popular.

sábado, 15 de abril de 2017

ESTADO OPERÁRIO NORTE-COREANO ANUNCIA QUE RESPONDERÁ AS AMEAÇAS MILITARES DE TRUMP: OS REVOLUCIONÁRIOS APOIAM O PLENO DIREITO DA AUTODEFESA COREANA DIANTE DAS PROVOCAÇÕES DO IMPERIALISMO IANQUE!


A tensão entre o Estado Operário da Coréia do Norte e o imperialismo ianque elevou-se nos últimos dias. Recentemente, Trump enviou um grupo aeronaval de ataque, encabeçado pelo porta-aviões americano USS Carl Vinson, para a região da península da Coreia. A Coreia do Norte agindo em autodefesa ameaçou a Washington com um ataque nuclear que poderia atingir o Japão. “O Exército do Povo coreano irá reduzir as bases de agressão e provocação às cinzas com seus invencíveis foguetes Hwasong equipados com ogivas nucleares e defenderá a segurança do país e a felicidade de seu povo caso os EUA e as forças-marionetes sul-coreanas dispararem uma única bala no território da RPDC”, disse a chancelaria norte-coreana. O líder norte-coreano, Kim Jong-un, ordenou às forças estratégicas do Exército Popular da Coreia que estejam preparadas para o combate, que pode começar em qualquer momento. A ordem foi dada durante o lançamento de mísseis realizado no dia 6. O lançamento foi levado a cabo pelas forças estratégicas Hwasong, cuja missão é atacar as bases americanas no Japão. Kim Jong-un assistindo os testes disse “Em caso de situação perigosa uma vez que em qualquer momento a guerra pode começar, manter alto nível de prontidão, ocupar as posições necessárias e atacar o inimigo logo que receber a ordem”. O lançamento ocorreu em meio dos exercícios conjuntos entre Forças Armadas sul-coreanas e norte-americanas, indicando um protesto de Pyongyang. Os exercícios de treinamento militar entre os EUA e a Coreia do Sul, que estão programados para continuar durante todo o mês de abril, foram classificados por Pyongyang como provocação. Quando questionado sobre uma possível resposta dos EUA aos testes de mísseis norte-coreanos durante uma reunião em Tóquio na semana passada, o secretário de Estado dos EUA Rex Tillerson recusou-se a descartar a ação militar, afirmando que a “política de paciência estratégica” com Pyongyang havia terminado. Foi revelado também que os EUA enviaram para Okinawa, parte meridional do Japão, um avião de observação atmosférica WC-135 devido às tensões crescentes em torno de possíveis testes nucleares e de mísseis balísticos norte-coreanos. Por sua vez, de acordo com relatos da imprensa russa e chinesa, o dirigente norte-coreano, Kim jong-un, teria ordenado a evacuação imediata de 25% da população de Pyongyang. Segundo a notícia divulgada pelo portal Pravda Report, a ordem prevê que 600 mil pessoas evacuem urgentemente. Foi relatado que os abrigos de bomba de Pyongyang não seriam capazes de acomodar toda a população da capital norte-coreana. Portanto, 600 mil pessoas terão que deixar Pyongyang para permitir que outros usem abrigos anti-bombas, afirma a edição. O desenvolvimento dos programas de energia nuclear e comunicação na Coreia do Norte é uma necessidade de obtenção de uma alternativa de fonte energética e de monitoramento climático-militar diante do brutal bloqueio a que o país está submetido, tecnologia fundamental para possibilitar que Estado possa desenvolver projetos nesse setor com condições de enfrentar os períodos de adversidade climática, marcado também por secas e inundações. Nesse sentido, esta estrutura de energia atômica legitimamente desenvolvida também pode e deve ser utilizada pelo Estado operário norte-coreano para se defender das ameaças do imperialismo norte-americano através de seu enclave, a Coreia do Sul e o Japão, onde os EUA mantém bases militares desde o final da Segunda Guerra Mundial. Os recentes testes de mísseis balísticos em meio as provocações organizadas por Trump na penínsola coreana é um ato de autodefesa do Estado operário norte-coreano diante das provocações do imperialismo. A imprensa pró-imperialista em todo planeta faz alarde acerca dos testes nucleares promovidos pela Coreia do Norte, afirmando serem uma “ameaça à humanidade”. Oculta, criminosamente, que só na Coreia do Sul, um enclave criado e militarizado pelos EUA, há um contingente militar acima de 40 mil soldados, mais de mil ogivas nucleares apontadas para o Norte. Como explicar que a Coreia do Norte não pode lançar um satélite ou inclusive testar um míssil ou uma bomba H, se quem a condena, os EUA, têm 439 satélites em órbita, sendo 98 deles para uso especificamente militar? Diante dessa realidade de conflito permanente não negamos a possibilidade da Coreia Popular, devido ao isolamento econômico imposto pela China restaurada e das provocações do império ianque, ser forçada a utilizar suas ogivas atômicas ou termo-nucleares contra o território “enclave” da Coreia do Sul ou mesmo o Japão. Com o fim da URSS e a perda dos parceiros comerciais do Leste europeu, a Coreia do Norte viu sua economia contrair-se em 30% nos cinco anos que se seguiram a 1991. Restou a China, hoje convertida ao capitalismo. A intensa reação ideológica mundial patrocinada pela mídia imperialista e o cerrado bloqueio econômico tendem, cada vez com maior intensidade, a estrangular o Estado operário. Como Marxistas Revolucionários, não podemos assumir diante de um conflito que pode ter proporções nucleares a “posição de avestruz” da maioria das correntes revisionistas, por isto declaramos em “alto e bom som” nosso apoio ao Estado Operário norte-coreano, apesar da burocracia dinástica que o governa. Devemos mobilizar amplos setores do proletariado e da juventude para repudiar as provocações militares do império ianque contra a Coreia do Norte e apontar o governo Trump como responsável pela escala militar. Por outro lado, não devemos nutrir a menor confiança política na capacidade de resistência da burocracia stalinista coreana, pronta para capitular a qualquer momento em troca de sua própria sobrevivência enquanto uma casta social privilegiada. A tarefa que se impõe no momento é o chamado ao conjunto do proletariado asiático que se unifique na bandeira da derrota do imperialismo ianque e seus protetorados militares da região, em particular convocando a classe operária do Sul para cerrar fileiras na luta pela reunificação socialista do país.

quinta-feira, 13 de abril de 2017

HÁ 15 ANOS DO GOLPE CONTRA CHÁVEZ: A TAREFA ATUAL É DERROTAR O IMPERIALISMO E A DIREITA EM FRENTE ÚNICA COM MADURO! IMPULSIONAR A FORMAÇÃO DE CONSELHOS OPERÁRIOS PARA CONSTRUIR UMA VERDADEIRA REPÚBLICA SOCIALISTA NA VENEZUELA! 


Entre os dias 11 e 12 de abril de 2002, há exatamente 15 anos, a Venezuela foi palco de um golpe de estado orquestrado pelos EUA, que apontava para a instauração de uma brutal ditadura cívico-militar. O golpe fracassou, mas demonstrou a disposição do então governo Bush de apostar em aventuras golpistas para aumentar seu controle econômico, político e militar sobre suas semicolônias. Hoje, com a morte (assassinato) de Chávez e a pressão da OEA e do Mercosul contra o governo Maduro, a melhor maneira de rechaçar os que tramaram o golpe de abril, é potenciar o justo ódio das massas exploradas ao imperialismo. Incrivelmente, quase todas as explicações para o fracasso do golpe de estado apontaram que o erro dos golpistas foi ter “rompido com as instituições democráticas”, algo que não seria mais admissível nos tempos atuais etc., o que não passa de uma balela democratizante para consumo da “opinião pública”. Os próprios EUA trataram de espalhar a versão de que torciam pela derrubada de Chávez, “mas apenas por vias democráticas”. Na verdade, a recondução de Chávez à presidência da Venezuela se deveu à sequência de atropelos cometidos pelo efêmero governo golpista encabeçado pelo presidente do sindicato patronal Federação de Câmaras, Pedro Carmona, em composição com a cúpula militar venezuelana, apoiados pelo imperialismo ianque. Decisivo para o fracasso, não foram o fechamento da Assembleia Nacional, a dissolução da Suprema Corte Venezuelana, e muito menos o alijamento da Central dos Trabalhadores Venezuelanos do governo, como destacam a mídia burguesa. Apesar destas medidas contribuírem para o isolamento da cúpula dos golpistas, é exatamente com elas que se iniciam quase todos os golpes. O problema residiu na fragilidade econômica do Estado venezuelano para suportar o aumento do parasitismo imperialista.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

DEPOIS DE VENDER A LEGENDA AO PT, PCO ADVOGA A “LIBERDADE” PARA BOLSONARO ATACAR NEGROS, HOMOSSEXUAIS E MULHERES: OS GENUÍNOS TROSKISTAS NÃO DEFENDEM A “LIVRE EXPRESSÃO” DO FASCISMO E SIM QUE ELE SEJA ESMAGADO PELO MOVIMENTO OPERÁRIO ORGANIZADO!


A fala do verme fascista Bolsonaro em um evento sionista no Rio de Janeiro provocou ampla indignação entre a vanguarda e setores democráticos pelo seu caráter reacionário, racista e homofóbico. O canalha expressa posições dos setores mais direitistas da classe dominante e sentiu-se à vontade na Hebraica fluminense, instituição que sempre patrocinou a reação contra os Palestinos. Houve repúdio contra a conduta venal nas chamadas redes sociais e várias entidades denunciaram sua fala. Na contramão desse movimento democrático de protesto, o PCO saiu em defesa de Bolsonaro e para isso usou como pretexto a necessidade de se respeitar a “liberdade de expressão” em geral, como se os Trotskistas defendessem o direito de expressão do fascismo. Segundo vergonhosamente afirma o PCO “Não se deve forçar ninguém a se calar e nem penalizar a opinião de ninguém mesmo que seja o Bolsonaro que atacou a própria filha. Cortar a liberdade de expressão é uma arma da direita para usar contra a esquerda em geral, se o Bolsonaro não tiver direito de falar, qualquer pessoa da esquerda também não deve ter o direito de se expressar.” (Defender a liberdade total de expressão, apesar de Bolsonaro, PCO, 10/04). Como se vê, em nome da “livre expressão”, o PCO defende que o fascitoide vocifere que “Os quilombolas não servem nem para procriar” em um claro discurso racista, defendendo inclusive sua eliminação física! No caso da filha ele disse que ela foi uma “fraquejada” já que todos os outros filhos são homens. Rui Pimenta e o PCO defendem o “direito” de Bolsonaro atacar os negros, homossexuais e mulheres em nome da democracia!!! Esta conduta escandalosa do PCO deve ser amplamente repudiada pela esquerda classista e revolucionária como um ataque ao conjunto do movimento operário e as liberdades democráticas do povo trabalhador, na medida que o fortalecimento do fascismo e de sua liberdade de fala e atuação favorece a ofensiva burguesa na luta de classes! Causa Operária ainda defende que Bolsonaro siga livre e que não seja “penalizado” por atacar negros, mulheres, homossexuais e demais trabalhadores!!! Esta seita que vendeu sua legenda ao PT para fazer apologia da democracia burguesa afirma: “Temos que repudiar qualquer declaração preconceituosa, mas não deve ser feito como esses parlamentares da esquerda fizeram de tentar penalizar o fascista por ter agredido verbalmente os negros e as mulheres em geral”. Tamanho esmero de Causa Operária em defender esse fascista preconceituoso também se deve a identidade programática do PCO com as “teses” homofóbicas contra a diversidade sexual e não apenas pela “liberdade partidária” no geral, como já denunciamos antes no caso da fala de Levy Fidelix contra os homossexuais no debate da TV Record em 2014. Os Marxistas Revolucionários nunca defendem a “democracia” para a burguesia e seus setores mais reacionários poderem livremente organizar ofensivas reacionárias contra o povo trabalhador e as chamadas “minorias”. Os genuínos Trotskistas não defendem a “livre expressão” do fascismo! Ao contrário, intervém nos protestos e manifestações contra a homofobia e o rascismo para apresentar uma plataforma revolucionária que una a luta pelas liberdades democráticas do povo trabalhador no sistema capitalista ao combate para derrotar a burguesia e seu regime senil de conjunto, demonstrando que as posições reacionárias e preconceituosas dos partidos burgueses são as expressões mais cruentas de seu desejo de “eliminar” os trabalhadores por meio da fome, miséria, do desemprego e da exploração capitalista! Para os Marxistas Revolucionários é necessário ir muito além do rechaço democrático ao torturador que hoje é um símbolo político de todo o campo da direita em nosso país. Bolsonaro representa um segmento fascista “bem vivo” não só no parlamento mas também no interior do aparelho repressivo (FFAA e PM's) do Estado Burguês. Várias entidades anunciaram que vão pedir novamente a cassação do mandato de Bolsonaro no STF ou na Câmara dos Deputados, hoje abrigado no PSC. Seria inócuo se não fosse profundamente equivocado politicamente reivindicar do covil de bandidos da Câmara dos Deputados ou da vil “Corte Suprema” a anulação do mandato de seus principais líderes. Semear hilárias ilusões neste Congresso de patifes ou no Judiciário já custou o próprio mandato da presidente Dilma. A tradição programática da Esquerda Revolucionária passa bem longe desta panaceia inútil, considerando que fascistas torturadores assassinos devem receber outro “tratamento” por parte do movimento operário organizado. Como nos ensinou o grande mestre Trotsky: “Com fascistas não poderá haver relação alguma democrática, devemos enfrentá-los com metralhadoras e porretes”. É uma verdadeira tragédia política que grupos da esquerda frente populista como o PCO que tanto verborragizam contra o “Golpe de Estado”, se mostrem tão legalistas quando se trata de sarjetas grotescas como Bolsonaro e sua família de fascistas. Os Leninistas nunca foram defensores da democracia como um valor universal como faz o PCO e muito menos reféns da legalidade burguesa, ainda mais quando se trata do combate de classe contra os bandos fascistas em plena atividade. Por isso defendem o justiçamento deste covarde fascista pelo movimento operário organizado!

terça-feira, 11 de abril de 2017

PREFEITO ROBERTO CLÁUDIO (PDT) PERSEGUE E "JUSTIÇA" DECRETA ILEGALIDADE: MANTER A GREVE DOS PROFESSORES DE FORTALEZA PARA ARRANCAR CONQUISTAS E O REAJUSTE!

Atendendo a solicitação do prefeito Roberto Cláudio, a “Justiça” decidiu na tarde desta terça-feira, 11, declarar a greve de professores de Fortaleza ilegal. Os trabalhadores em educação deflagraram a paralisação desde o dia 15 de março e no último dia 3 ocuparam o sétimo andar prédio da Secretaria da Educação de Fortaleza (SME). A categoria reivindica reajuste salarial de 7,64% e o fim dos ataques aos direitos e conquistas. A decisão promulgada pelo desembargador Inácio de Alencar Cortez Neto considera a greve “ilegal” e “abusiva”: “Defiro parcialmente a tutela de urgência, com o fito de determinar o imediato retorno ao trabalho, bem como que os grevistas se abstenham de impedir a entrada nas escolas públicas municipais de alunos, funcionários e dos professores”. O texto também orienta que a desocupação da SME seja feita em até 48 horas após a publicação e prevê multa diária de até dez mil reais em caso de descumprimento. De acordo com a decisão, “sem a desocupação voluntária dos manifestantes, o imóvel deverá ser desocupado com uso dos meios cogentes necessários para assegurar o funcionamento do órgão municipal acima mencionado”, ou seja, a justiça autoriza o uso de força policial. Entretanto, a SME já havia sido desocupada desde sexta-feira por decisão unilateral da direção do SINDIUTE. Na assembleia geral de hoje (11) a maioria esmagadora dos professores defendeu a manutenção da greve até a vitória! Ainda que o filhote da Oligarquia Gomes (PDT) conte com a perseguição política para acabar com a greve, a Oposição de Luta impulsionada pela TRS-LBI defende como a maioria da categoria a continuidade da greve exigindo a reposição integral das perdas salariais. Nessas três semanas de greve enfrentamos os ataques do prefeito Roberto Cláudio vem impondo via arrocho salarial, precarizando o Instituto de Previdência do Município (IPM) e lançando uma série de medidas que atentam contra conquistas e direitos dos servidores públicos. Desta forma, Roberto Cláudio copia o pacote de maldades do golpista Temer (PMDB), demonstrando que os irmãos Gomes e seus aliados na prefeitura e no Governo do Estado do Ceará (Camilo Santana) não são aliados na luta contra a Reforma da Previdência, como alegam cinicamente PT e PCdoB no interior dos movimentos sociais. Ao contrário, Camilo Santana (PT) aplaudiu a privatização do aeroporto de Fortaleza por Temer e anunciou um reajuste miserável de 2% para o funcionalismo. Durante a greve, várias mobilizações estão sendo realizadas como a ocupação do IPM, arrastão nas escolas, passeatas e a ocupação da SME. A Oposição de Luta da TRS-LBI tem intervindo ativamente na paralisação, atuou no dia 15.03 na grande marcha pelo centro de Fortaleza, somou forças na ocupação do IPM, sempre apontando que tanto Temer como Roberto Cláudio (que foi apoiado pelo PT no segundo turno das eleições municiais) só podem ser derrotados na luta direta, com a ampliação da greve e sua radicalização.Por fim, apoiou a ocupação na SME. Nesse combate, nos delimitamos com a direção majoritária do SINDIUTE, ligado a corrente petista Articulação, que busca fechar um acordo rebaixado com prefeitura, assim como criticamos o PSTU que como minoria na direção está completamente adaptado no seu papel de sócio menor da burocracia sindical cutista. Do ponto de vista mais geral, quando um amplo setor da vanguarda ligada a Frente Popular patrocina ilusões em uma chapa presidencial formada entre Lula (PT) e Ciro (PDT) em 2018, os sindicalistas revolucionários da TRS-LBI defendem a construção da Greve Geral e derrubada revolucionária do golpista Temer, não depositando nenhuma ilusão no circo eleitoral da democracia dos ricos! Por sua vez, é preciso denunciar que Ciro Gomes e Roberto Cláudio não são aliados dos trabalhadores como apresenta a Frente Popular, mas nossos inimigos de classe que impõem o arrocho salarial e o ataque à previdência dos servidores. Nosso caminho deve ser a luta direta para derrotar o conjunto dos governos burgueses e construir uma alternativa de poder dos trabalhadores!
“AMIGO” DAS EMPREITEIRAS: LULA RECEBEU “COMISSÕES” DA ODEBRECHT ASSIM COMO FHC, ITAMAR, COLLOR, SARNEY... E TODOS OS CHEFES DOS GOVERNOS BURGUESES NOS ÚLTIMOS 50 ANOS!


Marcelo Odebrecht afirmou nesta segunda-feira (10) em depoimento ao Juiz Moro que valores em espécie foram sacados por Branislav Kontic, ex-assessor do ex-ministro Antonio Palocci e teriam sido entregues ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. No mesmo depoimento, o empreiteiro declarou que o codinome “amigo” das planilhas de propina da empreiteira referia-se ao ex-presidente Lula. Em nota o Instituto Lula informou que todas as doações recebidas, da Odebrecht e de outras empresas, foram feitas “com os devidos registros e nota fiscal”. Em resumo, Lula reconhece que recebeu “dentro da lei” contribuições da Odebrecht e Marcelo afirma de além dessas ajudas “legais” passou dinheiro vivo para Lula e o PT.  Não somos ingênuos ao ponto de acreditarmos que o maior oligopólio da construção pesada no país, não construiu seu império às custas de um envolvimento econômico estreito com o Estado burguês ao longo dos últimos cinquenta anos. Esta relação onde o Estado capitalista é o principal indutor da chamada iniciativa privada é marcada por corrupção endêmica, favorecendo financeiramente os gestores públicos e potenciado os lucros dos empresários. Este “fenômeno” sistêmico do modo de produção capitalista não é produto da “desonestidade” de certos dirigentes corruptos, é generalizado a todas as empresas privadas que negociam produtos ou serviços com o regime burguês. Portanto a conduta corrupta dos acionistas e executivos que controlam as grandes empreiteiras no país é exatamente a mesma de uma pequena empresa que fornece lápis ou cadernos escolares para uma prefeitura no interior do Brasil, a única diferença são as dimensões das cifras... que no caso específico da Lava Jato são gigantescas. Porém as grandes empreiteiras nacionais são as responsáveis pelo conjunto das obras da infraestrutura do país, além de participarem de empreendimentos em serviços e industriais em vários ramos da economia, em parceria com o governo federal. Por força de uma imposição legal os trustes internacionais não podem integrar licitações do setor público, a não ser em casos muito específicos, a existência desta “reserva de mercado” para as grandes empreiteiras brasileiras têm causado a fúria de apologistas do neoliberalismo, dentro e fora das fronteiras nacionais. A desestruturação do cartel das gigantes da construção pesada nacional como vem fazendo a Lava Jato abriria um mercado no Brasil de mais de 20 trilhões de Reais para oligopólios imperialistas do mesmo ramo. Não precisa ser muito esperto para concluir que os interesses em jogo na "espetaculosa" operação Lava Jato vão bem mais além do que o combate a corrupção estatal, posto que processos escandalosos como a privataria tucana ou mais recentemente a bilionária sonegação fiscal de grandes corporações sequer despertam interesse por parte dos paladinos da ética. Mas não se trata apenas de debilitar os “impérios” da infraestrutura do país, é necessário criminalizar os que defendem a manutenção do atual “modelo”, considerado “fechado e arcaico” por Moro, estamos falando é claro das lideranças do PT consideradas como os vilões da nação. É certo que os dirigentes petistas enveredaram por uma trilha de colaboração de classes com os grandes empreiteiros, que passaram a financiar o partido, porém esta “parceria” não é exclusividade do PT, mas porque será que somente a esquerda socialdemocrata está sendo criminalizada? Por acaso os tucanos não praticam há muito mais tempo o "esporte do pocker político" com a burguesia? A questão fulcral neste debate é a blindagem recebida pelo PSDB por parte do imperialismo, interessado na quebra das empreiteiras nacionais e de roldão na desmoralização política do PT que tem levado estas empresas a conquistar novos mercados no exterior. O fato da Lava Jato ter levado para a cadeia (mesmo que provisoriamente) figuras emblemáticas das classes dominantes, como Marcelo Odebrecht e este declarando que Lula era o “amigo” das empreiteiras nacionais e recebia dinheiro legal e ilegal de seus cofres visa chantagear ainda mais o PT e debilitar seus planos para a candidatura presidencial em 2018. Neste quadro, o PSTU e setores do PSOL (como Chico Alencar que foi indicado recentemente pré-candidato a presidente da república pelo partido) tendem a agir como linha auxiliar da direita “sonhando” que desta crise política com o PT e Lula tirem futuramente algum dividendo eleitoral. Esses cretinos de “esquerda” negam-se a compreender que estamos vendo uma ofensiva “moralizadora” contra Lula e o PT não porque eles fizeram negociatas que beneficiaram empresas e grupos capitalistas, “degenerando-se”. Pelo contrário, a classe dominante prepara justamente o descarte de seus “intermediários” da Frente Popular e de sua política de colaboração de classes para entronar no Planalto um governo de corte bem mais conservador, encabeçado por figuras nefastas como Moro ou Alckmin... como exige o imperialismo em função do andar da crise financeira internacional. Para o proletariado é necessário tirar as lições desta guerra de quadrilhas burguesas. Longe de apoiar a sanha reacionária contra seus serviçais petistas assim como  a prisão de Lula, o ativismo classista deve construir nos locais de trabalho e estudo a resistência operária e popular aos ataques neoliberais em curso por Temer, denunciando a covardia do PT e seus planos de capitalizar a crise do governo golpista nas eleições em 2018. A superação da Frente Popular passa necessariamente por construir uma alternativa revolucionária e classista que desde já denuncie abertamente a atual sanha reacionária orquestrada pela mídia murdochiana e a direita reacionária e não o contrário como vergonhosamente vem fazendo a “oposição de esquerda” desde o chamado Mensalão e repetem esta conduta na Lava Jato. A vanguarda classista deve abstrair todas as lições programáticas destes episódios e jamais empunhar a bandeira da “ética e moralidade pública” como faz o PSOL, PSTU, MAIS.... Como afirmou Lenin, o Estado burguês não pode ser “democratizado” ou tornar-se “público”, deve ser demolido pela ação violenta e revolucionária da classe operária. A corrupção não é um fenômeno episódico no regime capitalista, faz parte dos seus próprios mecanismos de acumulação privada de mais-valor. Somente a imposição de outra ditadura de classe, desta vez de caráter proletário, será capaz de iniciar a construção de uma nova sociedade e para alcançar esse objetivo estratégico é preciso edificar um partido operário revolucionário em nosso país, que supere o PT e não seja sua reedição piorada como o PSOL!

segunda-feira, 10 de abril de 2017

COMPLETO FIASCO DA ÚLTIMA AGRESSÃO MILITAR A SÍRIA OBRIGA IMPERIALISMO IANQUE A RECUAR EM SUA OFENSIVA AUMENTANDO A DESMORALIZAÇÃO DE SUAS TROPAS EM TODO MUNDO


O covarde ataque imperialista de mísseis balísticos desferidos contra uma base militar em Homs na Síria na madrugada do último dia 07/04, resultou em um rotundo fiasco tanto do ponto de vista militar como político. A base aérea de Ash Sha'irat, nas cercanias da cidade de Homs, teve danos mínimos, apesar da chuva de tomahawak (cerca de 60) disparados de um destróier norte-americano ancorado no mar Mediterrâneo, covardemente posicionado bem distante do foco do ataque. Acontece que dos 60 mísseis que partiram do Mediterrâneo (possivelmente da ilha de Creta) menos da metade conseguiu chegar ao objetivo final em Homs. O resultado não poderia ser outro a não ser um completo fiasco bélico da investida imperialista, apenas meia dúzia de caças sírios foram destruídos, todos antigos Migs-32 (a versão mais moderna é a 35 recentemente adquirida pelas forças sírias da Rússia) que estavam aterrizados fora dos abrigos subterrâneos antiaéreos construídos especialmente para evitar danos em possíveis bombardeios. O experiente comando militar sírio não poderia repetir os graves erros cometidos pelo então governo do coronel Kadafi na Líbia, que teve sua frota aérea militar totalmente destruída em solo aberto após bombardeios aéreos operados pela OTAN. O próprio presidente Bashar Al Assad definiu o fracasso da agressão imperialista a seu país: "Os EUA falharam em tentar alcançar seus objetivos através da agressão, visando elevar a moral combativa dos agrupamentos terroristas por eles apoiados, após as vitórias do Exército sírio e do seu povo que provaram estarem dispostos a aniquilar o terrorismo em cada canto do território sírio". Mas nem mesmo os terroristas do EI conseguiram tirar algum proveito do sórdido ataque imperialista que solapou a vida de cerca de dez militares sírios, logo depois os falsos "rebeldes" foram severamente bombardeados por caças russos (e pasmem) com a colaboração da força aérea ianque, forçada a deter o avanço do Daesh sobre seus aliados curdos na região fronteiriça do Iraque. De um ângulo político a ação atabalhoada do governo Trump contra o povo sírio conseguiu colher um amplo repúdio internacional e até mesmo em seu próprio território, rachando inclusive sua frágil base de apoio parlamentar. Desmoralizada com o fiasco na Síria, agora a frota naval ianque segue para a península coreana para ameaçar o governo de Pyongyang, revelando assim o desnorteamento do Pentágono no atual tabuleiro geopolítico mundial. Trump sem uma estratégia internacional definida, pois sofre pressão das duas alas republicanas, começa a "brincar com fogo" no terreno de uma nova guerra mundial. Desgraçadamente a esquerda revisionista (PTS, LIT, grupo MAIS e Alan Woods) se perfilou mais uma vez com a ação imperialista contra uma nação oprimida, confirmando a tese da LBI de que estes agrupamentos oportunistas já abandonaram formalmente as lições básicas do Trotskismo e as tarefas postas pelo Programa de Transição da IV Internacional.

domingo, 9 de abril de 2017

MESMO APÓS O ESCÂNDALO DA MÁFIA CABRAL O PT CONTINUA NA BASE DE APOIO DO GOVERNO PEZÃO E AGORA NA PRESIDÊNCIA DA ALERJ COMANDARÁ A APROVAÇÃO DO PACOTE DO DESMONTE DO ESTADO FLUMINENSE


Parece inacreditável ou mesmo ficção, mas o PT fluminense continua firme na base de apoio político e parlamentar do governo da máfia Cabral & Pezão, mesmo após vir à tona todos os escândalos de corrupção e opulência da quadrilha peemedebista. Porém o para o PT não basta apenas integrar a "base aliada" do bandido Pezão, agora será a própria Frente Popular de colaboração de classes que comandará a aplicação do pacote do desmonte do estado, pela via da presidência da Assembleia Legislativa hoje ocupada pelo deputado petista André Ceciliano. O parlamentar petista não dissimula quando o assunto versa sobre a fidelidade do partido ao colega Picciani(do qual é vice) licenciado da presidência da AL para tratamento de um câncer: "Quem acompanha a Assembleia sabe que até o final do ano passado estávamos vivendo uma crise. E foi a figura, a liderança do presidente Picciani que acalmou. A gente precisa muito do presidente para votar o que o governo pensa em votar", afirmou cinicamente André ao portal G1 neste domingo. Mas o descaramento do novo presidente da AL/RJ não para por aí, André segue a estrita orientação política do PT para tentar manter Pezão no governo: "Não vou agilizar o impeachment, isso vai seguir o rumo normal aqui na Alerj. Tirar o governador Pezão não resolve o problema do Estado. O que resolve são recursos novos. Esse ano foram em torno de R$ 6 bilhões de bloqueio nas contas. Como o Governo pode se organizar, se toda hora tem bloqueio de R$ 70 milhões, R$ 80 milhões, R$ 120 milhões?" (site G1 09/04) .O PT fluminense se "derrama" de gratidão política em relação a Pezão e Jorge Picciani, afinal a dupla de picaretas apoiou a reeleição da presidenta Dilma em 2014 e mais recentemente o filho de Picciani, Leonardo deputado federal, votou contra o impeachment do governo petista impulsionado pela oposição de direita a Frente Popular, o "pequeno" detalhe é que Picciani Filho é o atual ministro dos esportes de Temer... Se não bastasse toda esta patifaria do PT ainda somos obrigados a ouvir os inflamados discursos do senador Lindberg Farias, candidato da "esquerda" do partido, exigindo o "Fora Temer" e ao mesmo tempo "Fica Pezão". Lindberg foi eleito senador pelo Rio de Janeiro em uma coligação do PT com toda a máfia unificada do PMDB:Cabral, Pezão, Paes, Eduardo Cunha e a família Picciani, e o atual presidente petista da ALERJ é um dos apoiadores mais próximos do pseudo esquerdista Farias, cuja trajetória política inclui desde o PCdoB passando pelo PSTU até "estacionar" no PT. A concorrente de Lindberg na disputa pela presidência nacional do PT, a também senadora Gleisi Hoffmann, quando foi ministra da Casa Civil do governo Dilma descarregou um criminoso ataque neoliberal contra os salários dos servidores federais, além de patrocinar um plano de privatizações de empresas estatais. Entretanto o "casal 20" das prévias petistas afirma que não há grandes divergências programáticas entre ambos e que juntos estão irmanados no "Fora Temer e volta Lula em 2018". Enquanto o circo eleitoral não chega os trabalhadores e a população pobre do Rio de Janeiro assiste atônita os crimes da PM carioca contra crianças e o descarte dos serviços públicos sucateados, além é claro do calote salarial contra o funcionalismo estadual. Mas para o PT fluminense o importante é garantir a governabilidade de Pezão a todo custo, ou melhor ao custo da vida da população pobre e negra do Rio de Janeiro. Para o petista presidente da ALERJ, André Ceciliano, as denúncias de corrupção contra sua chapa eleitoral e de seu "camarada" Lindberg Farias (PMDB e PT) não passam de calúnias: "Acho que ninguém está livre disso. Tem boato para todo tipo, todo mundo fazendo delação. A mim não espantaria se chegasse na Alerj porque é uma casa política. Mas o que a gente quer é que seja esclarecido. Senão fica denuncismo"(idem). Fica a indagação para os oportunistas da "esquerda"petista(DS,OT etc..) que apoia Lindberg Farias na "briga" pela presidência do partido: Vão ter coragem de defender o "Fica Pezão"?...

sexta-feira, 7 de abril de 2017

DIANTE DO COVARDE ATAQUE DOS CARNICEIROS IMPERIALISTAS A SÍRIA: OS MARXISTAS REVOLUCIONÁRIOS CERRAM FILEIRA MILITAR COM O GOVERNO ASSAD E AS FORÇAS DA RÚSSIA PARA DERROTAR O PENTÁGONO E SEUS "FILHOTES" TERRORISTAS DO DAESH!


Na noite desta quinta-feira (06/04) o Pentágono desencadeou um maciço bombardeio a base militar Ash Sha'irat, a leste da cidade Homs, na Síria. Os mísseis balísticos, cerca de sessenta, foram disparados desde um porta-aviões ianque estacionado no mar Mediterrâneo com objetivo de enfraquecer a força aérea do regime nacionalista de Bashar Assad. Até o momento há relatos de poucos militares sírios mortos em razão da covarde agressão imperialista, porém houve a destruição de importantes equipamentos bélicos que estavam sediados na base militar. O bombardeio foi autorizado pelo presidente Trump, que cedeu a uma forte pressão de comandantes do Pentágono (os chamados falcões) na exigência de uma resposta rápida a suposta utilização de armas químicas pelo governo Assad. Como já havíamos denunciado no Blog da LBI, tratava-se uma crônica teatral anunciada para justificar um sórdido ataque imperialista contra uma nação oprimida, no exato momento em que os ratos terroristas do ISIS, financiados pelo Estado sionista e o próprio EUA, colhem as maiores derrotas militares em território sírio. Não por uma coincidência é o fato dos terroristas do Daesh terem atacado uma das posições defensivas da estrada Homs-Palmira simultaneamente com o raide dos EUA contra a base de Ash Sha'irat. Também o genocida Benjamin "Bibi" Netanyahu saudou imediatamente a ação imperialista, oferecendo a Trump as tropas israelenses para promover uma invasão por terra a Síria. A decisão de Trump em atacar uma nação soberana sequer foi chancelada pelo Congresso norte-americano ou mesmo pelo Conselho de Segurança da ONU, um gravíssimo ato militar ianque assumido na calada da noite e que poderá ter repercussões políticas na arena mundial da luta de classes. O governo russo embora tenha sido avisado previamente do ataque, esboçou disposição em retaliar a ofensiva imperialista primeiro no campo diplomático, mas caso a intenção do Pentágono seja a de dar continuidade a ação militar, Putin já alertou que a Rússia não permanecerá inerte a provocação da Casa Branca. O governo Turco, peça central na deflagração de uma possível guerra regional (ou mundial?) entre Síria e Israel/EUA, ainda não tomou uma posição sobre o conflito. O Bombardeio ianque tem como primeiro objetivo fortalecer os "rebeldes" terroristas da posição ao regime Assad, como afirmou o governador da província de Homs, Talal Bazari : "A base atacada pelos EUA desempenhava o principal papel no combate à organização terrorista Daesh na região." Os Marxistas Revolucionários são os primeiros na trincheira militar para combater as bárbaras agressões imperialistas contra povos e nações em todo planeta. Vimos como os chacais ianques agiram no Iraque, Iugoslávia e Líbia, a profunda destruição nacional é a marca registrada do imperialismo. Como Trotskistas não nos acovardamos diante da mídia "murdochiana" internacional que tenta configurar Assad como um "monstro assassino de criancinhas indefesas", repetimos vigorosamente: Não somos midiotas à serviço da contrarrevolução neoliberal imperialista! Convocamos o movimento operário mundial e seus aliados históricos a cerrar fileira militar com o regime nacionalista burguês sírio, mantendo sua independência de classe e estratégia, para a derrota cabal de mais esta investida brutal do imperialismo ianque contra uma nação soberana e seu povo!